sexta-feira, junho 15, 2007

By nigth (II)

"A festa, como a maior parte das festas, primava pela extravagância. Havia mulheres atraentes, usando roupas completamente estranhas, uma profusão de cabelos loiros, pernas compridas e bronzeadas, música estonteante e estranhas imagens que passavam, através de algum engenhoso sistema, pelas paredes, criando um efeito assombroso. Quase todos eram nomes sonantes da noite: músicos, estilistas, modelos, cronistas, empresários… de tudo um pouco. O Ricardo acendeu um cigarro, enquanto acenava a algumas pessoas conhecidas. Expeliu uma baforada de fumo e encostou-se a uma coluna com uma forma caprichosa. O Pedro e a Sofia tinham desaparecido na multidão e da anfitriã da festa não havia sinal. Era hábito nestas festas as pessoas mal se falarem. Elas iam até este género de festas para verem e para serem vistas; não era importante o que se dizia e, na maior parte das vezes, o que se dizia podia ser resumido a frases do tipo “Estás a curtir?” ou então “Estás o máximo, hoje!”. Ao fim de alguns anos já não se respondia: esboçava-se um simples sorriso. Resolveu dar uma volta para ver se encontrava o Pedro, mas acabou foi por vislumbrar a Sofia. Ficou a observá-la por instantes: ela ria-se descontraidamente e atirava a cabeça para trás quando o fazia. Durante momentos, uma música assaltou o espírito de Ricardo e ele pareceu voltar atrás no tempo. Quantas vezes ele não vira aquela mesma cena mas com uma outra personagem? Quantas vezes ele não fora um espectador passivo sem nada poder fazer? Enquanto divagava por essas perturbantes recordações, a Sofia abeirou-se dele – Tudo bem?
- Tudo – respondeu ele sorrindo.
- Pareces aborrecido – observou ela – Não estás a gostar da festa?
Ele encolheu os ombros – Estou tão habituado a elas que já nem sei se gosto ou não.
- Bem, se estás habituado isso quer dizer que és um frequentador assíduo e se és um frequentador assíduo isso deve querer dizer que és um adepto incondicional destas festas – raciocinou ela, num jeito divertido.
- É um raciocínio interessante mas não sei se é verdadeiro – disse ele, fazendo uma expressão de dúvida.
- Claro que é! É uma espécie de silogismo.
O Ricardo olhou para ela com um ar surpreendido – Um silogismo? – repetiu.
- Não ligues! – respondeu ela despreocupadamente – Às vezes dá-me para começar a inventar. Gosto muito de reflectir sobre tudo. Espero que isso não seja um problema para ti…
Ele olhou melhor para o rosto encantador da rapariga. Os olhos eram de um azul tão intenso que quase feriam quem os olhasse insistentemente; tinha uma tez mate e um nariz arrebitado que lhe conferia um ar altivo – Claro que não! Sempre estive rodeado de pessoas com fortes inclinações metafísicas.
- Bem, eu também gosto de meditar sobre os fenómenos deste mundo – disse ela maliciosamente.
Ele suspirou.
- Estás bem? – perguntou ela.
- Acho que preciso de sair daqui. Queres acompanhar-me? – convidou ele.
Sofia olhou à sua volta como se procurasse alguém – Só me queria despedir do Pedro.
Ricardo pegou-lhe na mão e puxou-a – Esquece! Eu amanhã transmito-lhe a mensagem. A esta altura ele deve estar a tentar convencer a Cristal a adoptá-lo como novo namorado.
- E onde vamos?
- A um sítio onde se consiga respirar livremente."


Love and ligth!

9 Comments:

Blogger Professorinha said...

Respirar livremente e com a Sofia. Nada melhor para acabar a noite.

8:12 da tarde  
Blogger AnadoCastelo said...

Só confirma a tua apetência para escrever. Adorei. Espero o próximo episódio.
Beijinhos

10:15 da tarde  
Blogger aflores said...

Eu estava quase a perguntar: "...mas como é que eles conseguem conversar no meio da festa?"

Ainda bem que sairam para um sítio mais sossegado ;)

6:15 da tarde  
Blogger foryou said...

Já tinha ouvido chamar muita coisa mas... "respirar livremente"... ui ui

11:09 da tarde  
Blogger Marina said...

Tambem nao me parece mal a nova historia! ;-)
Mas confesso, que ja tenho saudades da outra...

So uma coisita..."abeirou-se"???
loooooooooooooooool
Es mesmo daquela "nossa" cidade!

Beijitos e bom Domingo

2:20 da manhã  
Blogger LoiS said...

Não será estranhamente recorrente essa saída repentina de Ricardo?

Mais uma de entre tantas da sua vida!

Será ela a tal?

Bjs Jade

12:46 da manhã  
Blogger ARTEMINORCA said...

POIS... ESTOU A TENTAR COMPLETAR UM SILOGISMO... MAS AS PREMISSAS SÃO DUVIDOSAS OU, DIGAMOS, ENIGMÁTICAS!
Fiquei presa!!! É o melhor que se pode dizer a quem escreve desta forma tão interessante, não é???
Beijinhos, Lu

12:27 da manhã  
Blogger Cristina said...

Empolgante... a Sofia será um ponto de viragem na vida de bon-vivant do Ricardo?

Um grande beijinho

11:30 da manhã  
Blogger Jade said...

Professorinha
A noite ainda não acabou...

Ana
Obrigada pelas palavras.

Aflores,
Sempre atento...

Foryou
Pois, pois... Velhas desculpas...

Marina,
Prometo que brevemente voltarei à Mel.
Abeirou-se é uma expressão típica da «nossa cidade»? Não me tinha apercebido disso...

Lois
Os homens são assim repentinos...

Arte
Amiga, que saudades! Andas desaparecida... Ainda bem que gostaste!

Cristina,
Tens que esperar para ver...

Beijinhos para todos!

12:17 da manhã  

Deixe um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home